Prefeitura de Triunfo ocupa primeiro lugar de gestão fiscal em Pernambuco

A Prefeitura Municipal de Triunfo possui a melhor gestão fiscal do Estado de Pernambuco, foi o que aferiu a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), que divulgou nesta quinta-feira, dia 10, o índice de Gestão Fiscal (IFGF) criado para avaliar a administração e gestão de recursos das prefeituras dos municípios brasileiros. O levantamento é realizado com base em dados oficiais de 2016 declarados pelas prefeituras à Secretaria do Tesouro Nacional.

No Estado de Pernambuco, a melhor gestão fiscal é a do município de Triunfo, que conquistou o primeiro lugar com índice de 0,6895 pontos. Segundo o Sistema FIRJAN, o objetivo desta avaliação é estimular a cultura da responsabilidade administrativa, possibilitando o maior aprimoramento da gestão fiscal, bem como, ajudar os gestores a tomarem as melhores decisões de alocação de recursos públicos.

O prefeito do município, João Batista, comemorou o resultado da administração pública e destacou as ações que estão sendo adotadas para a manutenção dos resultados conquistados na gestão anterior. “O mérito é da gestão de 2016, onde, realmente, Luciano Bonfim manteve o percentual de despesas com pessoal abaixo do limite e não deixou débitos para o atual exercício. No corrente ano, reduzimos mais ainda a despesa com pessoal, cujo percentual do primeiro semestre ficou em 41% da Receita Corrente Líquida, com toda a folha de pessoal totalmente em dia, bem como todas as contribuições previdenciárias estão hoje também regularizadas. Triunfo se orgulha de sua gestão fiscal”, disse o gestor.

INDÍCE IFGF

Composto por cinco indicadores – Receita Própria, Gastos com Pessoal, Investimentos, Liquidez e Custo da Dívida –, o IFGF tem uma metodologia que permite tanto comparação relativa quanto absoluta, isto é, o índice não se restringe a uma fotografia anual, podendo ser comparado ao longo dos anos. Dessa forma, é possível especificar, com precisão, se uma melhoria relativa de posição em um ranking se deve a fatores específicos de um determinado município ou à piora relativa dos demais.

O IFGF tem uma leitura dos resultados bastante simples: a pontuação varia entre 0 e 1, sendo que, quanto mais próximo de 1, melhor a gestão fiscal do município no ano em observação.